Promover a Saúde Pública

quarta-feira, setembro 28

Venha a nós a fruta




Fonte inesgotável de saúde, a fruta é senhora de uma ampla variedade de propriedades terapêuticas. Desde logo por constituir uma forma natural de nos abastecermos de vitaminas, mas também porque tem a capacidade de regenerar o organismo e de o proteger de algumas doenças.
Quando chega o tempo quente estas virtudes ficam mais em evidência, talvez porque o sol acentua a cor e os aromas dos mil e um frutos com que a natureza nos brinda. À dentada ou em sumo, há muito por onde escolher.

In: Farmácia Saúde, Nº 91 Abril de 2004

ANSIEDADE E CRISES DE PÂNICO



As crises de pânico constituem acessos imprevisíveis de angústia, forma extrema de ansiedade.

Causas

Uma tendência para a ansiedade parece ser parcialmente herdada e manifesta-se em períodos de stress. As crises de pânico podem ter várias causas:



  • Hiperactividade da glândula tiróide;
  • Consumo de determinados tipos de medicamentos;
  • Consumo excessivo de bebidas com cafeína;
  • Ingestão de drogas ilícitas, como anfetaminas ou ectasy.

Sintomas


Uma perturbação da ansiedade caracteriza-se por:

  • Inquietação não controlada;
  • Sensação de fadiga, tensão e irritação;
  • Agitação e incapacidade de concentração.

Há também sintomas físicos, como ritmo cardíaco irregular, suores, diarreia e tensão muscular, que ocorrem quase todos os dias e impedem as actividades do quotidiano.

Tratamento


Em geral, as crises de ansiedade ou de pânico devidas a outras causas psicológicas subjacentes, como as fobias e a depressão, cessam quando estas são tratadas. Poderá sobrevir um problema secundário se alguém que sente ansiedade começa a automedicar-se ou a consumir álcool. Podem ser úteis diversas abordagens do problema, como os grupos de entreajuda, o aconselhamento, as técnicas de relaxamento e a gestão do stress. Os tratamentos mais específicos incluem medicação e psicoterapia.

In: Cérebro, Sistema Nervoso

terça-feira, setembro 6

De pequenino se faz o SOL um amigo


Regras de ouro

  • Não expor ao sol crianças com menos de seis meses;
  • Manter as crianças longe do sol entre as 12 e as 16 horas;
  • Não esquecer o protector solar, uma t-shirt, o chapéu e os óculos de sol;
  • Utilizar um protector solar adaptado à pele da criança: resistente à água, à areia e que garanta alta tolerância;
  • Aplicar o protector antes de sair de casa;
  • Renovar a aplicação de duas em duas horas e após cada banho;
  • Aplicar camadas generosas de creme;
  • Insistir nos ombros, nariz, orelhase nuca;
  • Proteger sempre, independentemente da idade da criança;
  • Dar-lhe água a beber regularmente, pois o sol desidrata.


    In: Farmácia Saúde, Agosto de 2005

segunda-feira, setembro 5

EM NOME DA SEGURANÇA



Para que brincar na água seja ao mesmo tempo sinónimo de prazer e segurança, há que ensinar aos mais pequenos um conjunto de comportamentos seguros. Aqui ficam as recomendações da APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil dirigidas às crianças:

  • Nunca nadar sozinha;
  • Nadar paralelamente á margem;
  • Nunca mergulhar de cabeça sem saber qual a profundidade da água ou se existem rochas ou desníveis no fundo; não mergulhar em pontões;
  • Nunca atrapalhar outras crianças com brincadeiras perigosas (submersão da cabeça, empurrões para a água...).

    Para os pais, a APSI também faz sugestões:
  • Se houver água por perto, não perca as crianças de vista nem por um segundo;
  • Durante o banho, nunca deixe uma criança com menos de três anos sozinha na banheira; não atenda o telefone nem a porta; despeje a água da banheira imediatamente após a utilização;
  • Não consuma bebidas alcoólicas se está a vigiar crianças na água; o álcool pode interferir com o seu estado de vigília e com a sua capacidade de nadar.

    In: Farmácia Saúde, Agosto de 2005

sábado, setembro 3

REFORCE AS SUAS DEFESAS


O que é a Vitamina C?
A Vitamina C é um nutriente essencial para o organismo, que se encontra principalmente nas frutas. É a vitamina mais instável, destrói-se com a exposição à luz, calor, cozedura, armazenamento e congelação dos alimentos. Como o corpor uhmano é incapaz de a produzir deve-se obtê-la de uma fonte externa idariamente.

Porque é indicado tomar Vitamina C?
Porque reforça o nosso sistema imunitário.

Como é que a Vitamina C reforça o nosso sistema imunitário?
A Vitamina C concentra-se nos glóbulos brancos (também conhecidos como leucócitos) que são as células de defesa do organismo responsáveis por actuar quando se produz uma infecção. A sua função é aumentar a eficácia dos leucócitos.

A Vitamina C:
  • Faz com que os leucócitos sejam mais activos e resistentes para lutar contra qualquer infecção que possa ocorrer no organismo: aumenta a sua actividade anti-microbiana;
  • Aumenta a rapidez dos seus movimentos para atacar e neutralizar a infecção.

    Como actua a Vitamina C nas infecções?
    Dado o seu efeito no sistema imunitário, a suplementação/toma de Vitamina C é benéfica na prevenção e no tratamento das infecções em geral, assim como em infecções das vias respiratórias superiores.

    Que quantidade se deve tomar?
    Deve-se tomar 1000 mg por dia.

    Existem problemas por excesso de Vitamina C?
    Não existe perigo de sobredosagem porque a Vitamina C é uma vitamina hidrossolúvel que não se acumula no organismo, o excesso elimina-se facilmente todos os dias pela urina. Por isso, deve repor-se diariamente, para melhorar a resposta imunitária ou, quando o organismo precisa de mais protecção.

In: Farmácia Saúde, 2005