Promover a Saúde Pública

quinta-feira, abril 14

DORES NAS COSTAS



O que são as dores nas costas?

As dores nas costas resultam de uma afecção funcional e mecânica da coluna vertebral, e caracterizam-se pela sua localização na região posterior do tronco, sobretudo, nas áreas lombar e sagrada ou seja na porção médica baixa das costas. Tende a desaparecer espontaneamente passadas algumas semanas. Fala-se de forma agudas em casos de distensão de ligamentos ou de contractura muscular, e de formas crónicas quando se relacionam com patologia degenerativa.

Quais são as causas das dores nas costas?

As dores nas costas podem ter várias causas:
  • Contracturas ou distensões dos músculos e ligamentos, provocadas por posturas incorrectas ou por movimentos violentos, por vezes agravadas pelo levantamento de pesos excessivos ou pela obesidade;
  • Ruptura dos ligamentos provocada, por vezes, pelo stress;
  • Hérnias discais, ou seja a protusão de um disco intervertebral, que causa inflamação e/ou compressão dos nervos;
  • Defeitos congénitos;
  • Estenose espinal, ou seja, estreitamento do canal espinal, muitas vezes dependente de patologia óssea degenerativa;
  • Causas não mecânicas, como espondilite anquilosante (doença degenerativa que leva à fusão de vértebras e à limitação dos movimentos), infecções ósseas ou osteoporose;
  • Tumores nas vértebras – primários ou secundários.

    Sintomas

    Dores nas costas de origem traumática ou mecânica:
  • Dores na região lombo-sagrada e parte alta da coxa.

    Dores nas costas provocadas pela afecção das raízes nervosas:
  • Dor numa perna, mais intensa do que nas costas, normalmente irradiando até aos pés;
  • Irritação dos nervos, com alteração dos reflexos e da sensibilidade de uma raiz nervosa.

    Patologias espinais graves:
  • Dor constante, progressiva, de natureza não mecânica;
  • Dor no tórax;
  • Perda de peso;
  • Mal-estar geral;
  • Deformações estruturais osteoarticulares.

Quando se deve consultar o médico?

Apesar de, frequentemente, as dores nas costas terem tendência à resolução espontânea, também podem persistir e, então, é melhor consultar o médico.

O que fazer sozinhos?

É fundamental combater as posturas incorrectas e evitar os movimentos que originaram a dor.

Como evoluem as dores nas costas?

Aparecem inesperadamente mas tendem à resolução espontânea, num curto período de tempo. Nos casos de deslocamento dos discos intervertebrais e nas distensões de ligamentos ou dos músculos, a dor surge, normalmente, 24 horas após o movimento incorrecto que a causou.
Em situações graves de deformação dos ossos (como a espondilite anquilosante) em adultos jovens, os sinais, como a dor e impotência funcional, podem instalar-se mais lentamente.
Nas formas crónicas, a dor agrava-se para diminuir a intensidade passado algum tempo e tende a surgir novamente.
Se a dor está relacionada com patologia neoplásica, a evolução é pior.

Como se podem evitar as dores nas costas?

Evitar torções quando se transportam pesos, manter uma distribuição simétrica da carga e não transportar pelos por longas distância. Os objectos pesados devem ser agarrados firmemente, partindo de uma posição baixa, de joelhos, mantendo-os perto da cintura, inclinando-se ligeiramente sobre o objecto pesado com as costas direitas. Devemos levantar-nos usando os músculos das pernas e mantendo imóveis.

Exercícios para dores nas costas

1. Coloque-se com as costas junto a parede e os pés separados, de modo que fiquem paralelos aos ombros. Deslize até abaixo, dobrando os joelhos até que formem um ângulo de 90º. Conte até cinco e deslize para cima, sempre em contato com a parede. Repita o exercício cinco vezes.


2. Deite-se no chão sobre o abdômen. Estique os músculos de uma das pernas e eleve do chão. Com a perna elevada, conte até dez e vote a perna para o chão. Faça o mesmo movimento com a outra perna. Repita o exercício cinco vezes com cada perna.


3. Deite-se no chão sobre as costas e com os braços junto ao corpo. Eleve uma de suas pernas do chão. Sustente a perna para cima e conte até dez. Volte a perna à posição original. Faça o mesmo com a outra perna. Repita o exercício cinco vezes com cada perna. Se houver dificuldade no movimento, dobre o joelho, com o pé esticado e eleve a perna quanto for possível.


4. Coloque-se com as costas junto a parede e os pés separados, de modo que fiquem paralelos aos ombros. Deslize até abaixo, dobrando os joelhos até que formem um ângulo de 90º. Conte até cinco e deslize para cima, sempre em contato com a parede. Repita o exercício cinco vezes.


5. Deite-se sobre as costas com os joelhos flexionados e os pés apoiados no chão. Lentamente, levante a cabeça e os ombros do chão e toque com as mãos seus joelhos. Conte até dez e volte a posição inicial. Repita o exercício cinco vezes.


6. Fique por detrás de uma cadeira e apóie as mãos no encosto. Eleve para trás uma das pernas com o joelho estendido: volte lentamente a posição inicial. Faça o mesmo com a outra perna. Repita o exercício cinco vezes com cada perna.


7. Deite-se sobre o abdômen. Coloque as mãos diante dos ombros com os cotovelos flexionados e empurre. Levante a metade anterior do seu corpo o mais que seja possível, enquanto que, o quadril e as pernas permaneçam esticadas. Mantenha esta posição durante um ou dois segundos. Repita o exercício dez vezes, várias vezes ao dia.


8. Deite-se sobre o abdômen. Coloque as mãos diante dos ombros com os cotovelos flexionados e empurre. Levante a metade anterior do seu corpo o mais que seja possível, enquanto que, o quadril e as pernas permaneçam esticadas. Mantenha esta posição durante um ou dois segundos. Repita o exercício dez vezes, várias vezes ao dia.


9. Fique em pé e com os pés ligeiramente separados. Coloque suas mãos na parte baixa das costas. Mantenha os joelhos esticados. Flexione as costas para trás o quanto for possível e mantenha-se nesta posição durante 1 ou 2 segundos. Repita o exercício 5 a 10 vezes.


In: Guia Familiar da Saúde